Com Belchior na Turquia

                           Sheraton Ankara Hotel

A última vez que estive com o Belchior foi em 2007.
Eu já morava em Portugal havia quase sete anos e naquela altura já tocava com o Madredeus.

Um belo dia o Bel entrou em contato comigo e me convidou para tocar com ele no Ankara Jazz Festival, na Turquia. Minha agenda estava bem apertada, pois estava viajando e trabalhando muito com o Madredeus, mas por sorte naqueles dias eu estaria livre, o que me deixou muito contente, pois tinha saudade dele e de tocarmos juntos. O Bel me perguntou se eu conhecia algum bom pianista e eu indiquei Marco Pombinho, que não é bom pianista…é simplesmente excelente, além de ser um amigo muito querido.

Fomos para a Turquia, o Belchior de São Paulo e eu de Lisboa, e nos encontramos lá um dia antes do show.

Vista da minha janela do hotel

Foi a primeira vez que fui para a Turquia e, apesar de estar muito acostumado às viagens, eu estava bastante excitado com aquela, de uma maneira que sempre fico ao visitar um lugar que ainda não conheço. E ainda tinha o incrível bônus de estar ali para tocar com o Belchior, amigo e companheiro de velhos tempos e batalhas.

Mercadinho turco

 Atiçava e inquietava minha expectativa o fato de eu achar que a obra do Bel, apesar de genial, poderia não ser devidamente apreciada em lugares onde a língua portuguesa não é conhecida, pois a poesia é parte essencial em suas criações, mas…ledo engano, eu estava completamente equivocado.

O que aconteceu lá no show somente comprova o que já sabemos aqui no Brasil, que o Bel é dono de um carisma e magnetismo simplesmente arrebatadores, não importando o lugar no mundo onde esteja cantando. O público turco, sem conhecê-lo, sem conhecer as músicas e sem conhecer nada de português, simplesmente ficou encantado com o show e com a figura do Bel.
Alguém poderia dizer que os brasileiros presentes contagiaram a platéia e tal, mas o fato é que os únicos brasileiros presentes eram o discreto consul brasileiro e mais um ou dois funcionários da embaixada.

Teatro do Centro Cultural Metu

Hoje tenho certeza, o Belchior é um pacote completo, ao pegar seu violão e começar a cantar vai provocar as mesmas reações de encantamento em qualquer público do planeta, ou mesmo Marte!
Poucos artistas são capazes disso.


Gêmeos turquinhos brincando comigo

Na manhã seguinte ao show, tomamos café juntos relembrando várias passagens e histórias de nossa parceria de quase quinze anos de estrada. Nos despedimos com um forte abraço no hall do hotel – ele iria para o aeroporto em outro horário.

No avião de volta à Lisboa, eu contemplava absorto os cumes nevados das montanhas pela janelinha, ainda enlevado pelas sensações e boas lembranças daqueles dias, daquele encontro que eu desejava que tivesse acontecido antes. Fazia muito tempo que não tocávamos juntos, e o mais interessante, é que nem ensaiamos para aquele show…foi só pegar a guitarra e a mão voou sozinha, deslizando sobre o braço do instrumento como se eu tivesse tocado com o Bel na noite anterior. Da próxima vez que tocarmos tenho certeza que será da mesma forma…será sempre!

___________________________________________________________________
N. do A.: Alguma vez você já reencontrou algum amigo que não via há muito tempo? Tenho pra mim que os amigos mais íntimos, daqueles pra sempre, são os que a gente encontra depois de muitos anos e parece que foi ontem.
Algo assim já aconteceu com você? Conte aqui. Compartilhe as suas histórias.

contador free

______________________________________________________________________
E não esqueça de dar uma passadinha na nossa loja: Clique aqui e conheça nossos álbuns

7 Responses to Com Belchior na Turquia

  1. Fernando Mello disse:

    muito bom este cara, nota 10

  2. jeffiner mattos disse:

    Lindo depoimento…vcs é show Sergio

  3. YOLANDA BAROZZI disse:

    Delícia de relato. É meu amigo, rever alguém querido é entrar no túnel do tempo. Valeu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *