Sobre mim

 

Oi, tudo bem?
Meu nome é Sergio Zurawski, sou músico e diretor artístico do Portal Records.

Sou guitarrista, compositor, arranjador e produtor de São Paulo.

Toquei muitos anos na banda do Belchior, na banda do Raul Seixas, e em outras ocasiões com Gilberto Gil, Toquinho, Zé Ramalho Fagner, Sebastião Tapajós, Raul de Sousa, Ednardo, Xangai, Duo Fel, Jair Rodrigues, Luís Gonzaga e mais um monte de gente legal.

Fui músico de estúdio durante muitos anos, gravando todos os tipos de música e também componho trilhas sonoras pra filmes, games e teatro.

Morei na Europa de 2000 até 2012. Fixei residência em Lisboa, Portugal, e lá tive a oportunidade de participar de projetos muito legais, tocando com artistas incríveis, como o grupo Couple Coffee, com o meu próprio projeto Zurawski Ensemble e com o grupo português Madredeus, do qual fiz parte por alguns anos e com quem gravei vários CDs e DVDs.

Como produtor, sempre tive uma idéia recorrente de criar um selo musical, mas a vida nômade nunca me permitiu pensar nisso de maneira mais concreta. Finalmente o momento se fez propício e assim criei o Portal Records.

O Portal Records é resultado da maturação dos anos que passei mundo afora tocando e produzindo. Nasceu da minha grande vontade de compartilhar uma música interessante e de qualidade, independentemente de gênero e estilo, com o maior número possível de pessoas.

A música encontrada aqui poderá ser tanto de minha autoria, como também de outros músicos que tenham projetos harmoniosos e compatíveis com nossa proposta artística e com nossos conceitos estéticos musicais.
Começaremos com três segmentos principais: World Music, New Age e vários tipos de música instrumental.

Voltando um pouco no tempo…nasci em São Paulo e morei sempre na região de Santa Cecília e Perdizes, tendo mais tarde, já com vinte e poucos anos, morado também na Vila Madalena e na Mooca.

Comecei a estudar música com 7 ou 8 anos, com a lúdica e impreterível flauta doce. Esse foi o meu primeiro contato formal com a música. Passado algum tempo fui para o violão. Entre paradas e recomeços, comecei a estudar violão pra valer com 15 anos, no saudoso Conservatório Musical Nossa Sra. de Fátima, onde iniciei o curso de violão clássico. Ali começou meu interesse pela música clássica. Aquelas músicas, aquelas orquestras fantásticas, tudo isso me fascinava demais.

Eu gostava muito de rock também, logo, passar para a guitarra foi inevitável. Isso foi por volta de 1975.

Minha formação foi, então, se sedimentando praticamente nesses dois pilares: a música clássica, com toda sua exuberância e riqueza, e o rock, com toda sua força, vigor e espírito contestador. Um pouco depois descobri a música brasileira, que passou a ser um novo ingrediente nesse caldeirão mágico.

Acabei o colegial com 18 anos e entrei na faculdade de música, no curso de violão clássico, onde aprofundei os estudos musicais em vários segmentos e matérias.

Eu já dava aulas particulares e também no conservatório onde me iniciei no violão clássico quando surgiu o primeiro convite profissional para participar de uma banda. Era com um cantor romântico popular na época. Com esse grupo começaram as viagens e muitos shows. Nessa época comecei a conhecer São Paulo de verdade, pois naqueles tempos era costume os cantores populares fazerem shows em circos pela periferia da cidade. Numa mesma noite rodávamos horas pela cidade, tocando em vários circos numa mesma noite.

Embora eu não gostasse muito da música que tocávamos, eu estava gostando muito de viver aquilo. Sentia que estava crescendo musicalmente.

Por volta de 1980 fui convidado para tocar numa peça teatral musical protagonizada pela atriz Clarisse Abujamra e produzida pelo Antônio Fagundes, e logo na sequência participei de outro musical, o Pó de Guaraná, dirigida pelo Wolf Maya. Foi nessa fase também que comecei a ter as primeiras experiências de gravação em estúdios profissionais. Naquela fase a movimentação na minha vida era intensa e eu tocava com muita gente ao mesmo tempo. Toquei um bom tempo na banda da cantora Rosa Maria e em bares com o grupo de rock Tático Móvel.

Foi então, que surgiu em 1985 o convite pra entrar na banda de apoio do Raul Seixas. Como podem imaginar, eu nem acreditava que era verdade. Naquela época o Raul já era um mito incontestável e aclamado. Eram shows impressionantes, inesquecíveis. Ele tinha um público imenso, sobre o qual exercia um fascínio fabuloso, místico até, tanto pelas músicas quanto pelo seu imenso carisma e magnetismo. Nos shows, o público cantava o tempo todo, desde a primeira música até a última, invariavelmente. Escreverei mais sobre essa fase nos posts do blog, aguarde!

No camarim de um desses shows, aqui em São Paulo, conheci o Belchior, que havia entrado para cumprimentar o Raul. Sorridente e educado como sempre, foi muito simpático e disse que tinha gostado muito do show e da banda. Pouco tempo depois o Raul fez uma parada programada nos shows e foi exatamente nesse momento que o Belchior convidou a banda para tocar com ele.

Começar a tocar com o Belchior também foi uma experiência incrível, pois, assim como o Raul, ele também é um artista extremamente talentoso e carismático, que tem um público imenso e fiel que também canta as músicas do começo ao final dos shows. Toquei com o Belchior até o ano 2000, quando fui morar na Europa.

Aguardem que trarei histórias dessa fase também!

Naquela altura, com a explosão da internet, que encurta distâncias e culturas como jamais poderíamos imaginar há algum tempo, eu já conhecia e me interessava muito pela música feita mundo afora. Amadureci, perdi preconceitos e conheci muita música interessante, aliás, continuo sempre atrás de novidades.
E é aqui que o resto dessa história até os dias de hoje, num movimento cíclico, como tudo, volta ao início desse texto.

Aqui no blog, além de me conhecer um pouco mais, você terá sempre muitos posts e artigos com videos, fotos, histórias e curiosidades desse meu convívio diário com a música e com os músicos durante todos esses anos. Vou falar também de outros assuntos, com reflexões, pensamentos e comentários em geral.

Espero que goste!
Seja bem vindo e bom passeio!